Parece que há mesmo um sentido
envolvendo tudo, sim.
Sinto isso.
Mas sinto mais...
não descobri ainda, em mim, esse como e o porquê...


quinta-feira, 14 de abril de 2011

Areias de esperar


.•*¨*•.¸¸.•*¨*•.¸¸¸¸¸¸¸FOR NO ONE¸¸¸¸¸¸¸.•*¨*•.¸¸.•*¨*•.¸
.

Quando você me diz que chove eu acredito sempre.
Choveu ontem, hoje.também....
Acho que vai chover amanhã, depois, depois.
Penso que desinventaram o sol, até.
Sei como são esses cânticos dos pés roçando a areia
no silêncio caricioso que sussurra em Paraty.
Também já entendi o que seja longe... não precisa repetir.
É ruim demais saber como demora tudo quando só o que resta é esperar,
sabendo que o tempo... o tempo não é nada mais que uma expressão de dois sentires.
Ando, como fazem os que olham as aves brancas de arribada,
querendo entender de longe os mistérios das direções.
Deixe um recado, um ponto ou um traço, e eu vou compreender;
Não repare se eu me demorar na resposta
ou ficar a impressão de que nunca mais vai chegar;
pode ser que eu já tenha anoitecido por aqui
ou tudo tenha se tornado em nada e ninguém.


9 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. 1700
    Casarão
    Parede rosa
    Sobre a pintura descascada uma inscrição
    "Eu vou Voltar"
    Tinha o seu nome em risco, num quase bordado.

    Vê-se o armazém, o mercado de frutas,
    olhando o céu sobre a baia, o assestado canhão...
    tudo ainda parece ontem em frente ao cais

    Nada! Na mesma parede, hoje, na Rua da Capela
    da Igrejinha ao lado, embora ainda a noite
    silhuete as mesmas sombras, tudo foi repintado.

    Ninguém! Os traços não estão mais nessa esquina,
    as palavras são o tempo em nós encobertas;
    não há riscos que nos desenhem mais.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Eu vou voltar, sempre desejo isso os dias todos.
    Mas como voltar quem nunca partiu?
    Estou aqui mesmo dentro de mim,
    nessa mistura de reflexão e inconformismo com o tempo,
    indiferente às plastificações de imagens de uma alma encantada.
    Mantenho em mim a travessa criança,
    e o mesmo adolescente apaixonado
    ante as pinturas descascadas, queimadas de sol.

    De areias brancas namorando as águas, brotam brisas suaves
    que carregam longe desejos de estar pra sempre por aqui,
    embora o sempre seja uma expressão volátil
    e indefinida como é o ser de ser em si.
    Eu estou quase todo em mim, quando não adormeço.
    E só desperto quanto tocam-me suavemente, como agora fazes.
    Sussurra, eu ouvirei.
    http://www.youtube.com/watch?v=jcvpsqsPcGo

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. "Sentir saudade é como a névoa.
    É possível até prever quando se aproxima, mergulhamos nela e a vista fica turva, não dá para descortinar direito o que há à volta e em belo instante, passa. O sol parece então brilhar de novo e novos horizontes surgem.
    Mas ela volta.
    E ela volta para todos os que caminham ou caminharam pela estrada do afeto, do amor, seja da forma qualquer que tenha sido.
    Não há antídoto para os que caminham e os que amam sempre.
    Por isso ela volta."

    ResponderExcluir